Um cordel sobre leitura – Por Luzinete Fontenele

4491

Leitor amigo permita
Que eu aqui me apresente
Pra falar de leitura
N’um linguajar diferente

Nasci no interior
Piracuruca, meu louvor
Era difícil ser leitor
Sem os cordéis do meu avô

Doquinha foi o mentor
Com o cordel no seu legado
Nas letras me incentivou
Com ele escrever rimado

O livro lá era raro
Mas não foi o impedimento
Apesar de ser bem caro
Esse bom empreendimento

Pois livro dado ou escolhido
Pra quem quer  não importa
Importante  que seja lido
Pois é ele que abre porta

Brinquei de bola e boneca
Tantas outras brincadeiras
Sonhando com biblioteca
Mundo encantado das letras

Aprendendo falar rimada
Meu ABC foi com cordel
Numa poesia declamada
Eu fiz bonito papel

Mas escrever foi a virtude
Que me fez motivar
Mostrar lhe essa atitude
Pra poder lhe convidar

Se você é um curioso
Aqui vai me entender
Pois um segredo valoroso
Só descobre quem sabe ler

A leitura é um paraíso
Que fascina multidões
Dar asas aos seus sonhos
Liberta dos seus grilhões

A leitura de um bom livro
É um aprender incessante
O livro fala pra alma
Num diálogo interessante

Quando  criança aprende a ler
O adulto  sente alegria
Pois  homem que não saber ler
É como um cego sem guia

Com alegria e experiência
Vamos passando pelo texto
Baseando nossa vivência
Vamos criando um contexto

A falta duma leitura
Trás o silencio do mundo
A solidão é mais dura
O vazio mais profundo

A leitura faz adentrar
No mundo da fantasia
Também  ensina aclarar
Que nem tudo é magia

Cada estrofe uma rima
Cada rima uma emoção
Cada emoção nos anima
Doar-nos de coração

Cada verso um sentimento
Cada linha uma emoção
Procure no seu anverso
O que lhe trouxer satisfação

Se  viajar pela leitura
Precisar  de direção
Basta ter um bom livro
Como instrumento na mão

É  pena só saber disso
Quem gosta mesmo de ler
Faz disso compromisso
Resultante de  prazer

Pra começar a ler
O homem não tem idade
Seja moça ou rapaz
Todos têm maturidade

Eu aqui escrevendo
Pareço que estou brincando
O tempo passa correndo
E eu aqui devagando

Ensine aos seus filhos
Todo texto encarar
É sabido que o tempo
Faz a leitura variar

Prepare seus pequenos
Para tempos de mudança
Você dará a eles
O melhor de sua herança

Alguns vícios de leitura
Aprendemos na escola
Levados pela preguiça
Achamos melhor a cola

A leitura abre a mente
Para lidar com o defeito
É melhor ver o diferente
Não agir com pré-conceito

Tem gente que gosta de ler
De revista a anuário
Vai decifrando os termos
Do jornal ao dicionário

Há muitos tipos de leitura
Dinâmica e dramática
Porém a que mais gosto
É a leitura fotográfica

Mas também existe leitura
Da mais lenta a acelerada
Cada um pode escolher
Silenciosa ou demorada

E ouvindo outra pessoa
Leitura também se faz
Pensando no que ela diz
Criando o que for capaz

A leitura também foi
Na história um mistério
Basta a gente saber
Da época do monastério

O livro é precioso
E já viveu em santuário
Mas saiu vitorioso
Graças ao bibliotecário

É preciso praticar
A leitura e a escrita
Pra contar nossa história
Com uma rima mais bonita

Escrevo confiante
Que o fato se repete
A leitura vai adiante
Do sertão a Internet

Desejo caro leitor
Que faça boa excursão
Pois até essa leitura
Tirou-lhe da exclusão

Findo aqui esse cordel
Com gratidão e saudade
Para  vô Doca tiro o chapéu
Dedico essa vaidade

Nessas estrofes que arrumo
Às vezes eu escorrego
Escrevo fácil, eu assumo
Mas tenho medo, não nego

Prometo voltar outro dia
Ou quem sabe, noutra hora
Sua atenção agradeço,
Prometo,  não me demoro.

 

Deixe o seu comentário