Livre-se das dívidas AGORA – por Rafaella Fernandes

141

A Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic), apurada pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), mostra que, em maio, 59,1% das famílias possuem algum tipo de dívida e 9,9% afirmam não ter perspectivas para sair do endividamento.

Mas como sair dessa situação? Abaixo algumas dicas práticas:

  1. Organize as dívidas:identifique credores, valores, juros e prazos. Dê preferência às de juros mais elevados como o cheque especial e o cartão de crédito. Estabeleça um cronograma baseado na sua capacidade de pagamento.

  2. Troque sua dívida por uma melhor.Em geral, empréstimos têm juros menores que o cartão de crédito, por exemplo. Se puder contar com ajuda de parentes e amigos, melhor.

  3. Crie uma meta mensal de economia e abra mão do consumo por um tempo. Use o valor economizado apenas para a quitação de dívidas. Imagine que é um sacrifico necessário por tempo determinado e tenha disciplina.

  4. Tente negociar.A maioria dos credores está disponível a um acordo. Peça descontos ou mais prazo para quitação, porém com os mesmos ou até menos juros! Tenha paciência na negociação e respeite sua capacidade de pagamento.

  1. Troque o credor.Você pode levar suas dívidas de um banco para outro com menores taxas. Analise bem as possibilidades, questionando sobre taxas extras e quebra de contrato. Tenha certeza de o novo acordo cabe no seu orçamento.

  1. Venda algo e use o valor arrecadado para o pagamento de seus débitos.Muitas vezes é difícil abrir mão de um bem, mas pense que em breve, quando você estiver em situação mais favorável, poderá readquiri-lo de forma sustentável. Geralmente possuímos também itens desnecessários ou que não estamos usando no momento: não hesite em vendê-los! Foque na melhoria da sua situação atual.

  2. Procure uma renda extra e use os ganhos para a quitação de dívidas.Pode ser qualquer atividade temporária, de preferência baseada em habilidades que você já tem, pois assim não terá que demandar tempo ou dinheiro para aprender um ofício, no máximo terá que investir algo em materiais a serem utilizados. Mas analise bem o mercado para ter certeza de retorno, pois o investimento em vez de ajudar, pode tornar-se um novo débito.

Para finalizar uma dica bônus: envolva a família no processo! Com a colaboração de todos, fica muito mais fácil alcançar qualquer objetivo!

Deixe o seu comentário